quinta-feira, dezembro 27, 2018

Sonhos de cenoura | Natal sem gluten

Que doces típicos de Natal gostam de ter na vossa mesa? Aqui o que não pode faltar são sonhos, sejam eles com calda, de cenoura ou de abóbora ou com açúcar e canela têm de estar na mesa de Natal. se não nem me sabe a Natal. Há três coisas que não podem faltar,  no "meu Natal" , bacalhau com couves, perú e sonhos ahahahha 

Várias pessoas me tinham pedido receitas de sonhos de cenoura sem gluten e resolvi experimentar este ano. Saíram bem bonitos redondinhos e saborosos. No outro dia ainda estavam bons e para nosso espanto ainda se comera passados dois dias. Verdade ainda estavam fofinhos.

Porque o Natal tem de chegar a todas as mesas deixo aqui a receita sem gluten para que celiacos possam também comer e deliciar-se com os doces típicos de Natal.


O que vamos precisar:
100 gr de cenouras
125 ml de leite
125 ml de agua
50 gr de manteiga
1 casquinha de limão
1 pitada de sal
50 gr de açúcar opcional - como leva depois açucar e canela podem não adicionar açucar à massa.
25 gr de polvilho doce
125 gr de farinha de arroz
4 ovos

Mãos na massa:
Cozer as cenouras cortadas em pedaços. Coar a agua e reduzi-las a puré. Reservar.

Levar ao lume a agua, o açúcar,  o leite, a manteiga, o sal e a casquinha de limão.
Assim que levantar fervura retirar o tacho do lume e adicionar as farinhas de uma só vez e mexer fortemente até se formar uma bola de massa separando-se do tacho. Retirem a casca de limão.
Se, na massa, ainda aparecerem pontos de farinha por absorver amassa-se com as mãos numa bancada até ficar homogénea.
Deixar arrefecer a massa. 
Assim que estiver fria, colocar a massa num recipiente ou num processador e incorporar um ovo, bater energicamente e acrescentar o puré de cenoura e depois os restantes ovos.

Fritar pequenas colheradas em óleo ou azeite quente. Enquanto fritam piquem-nos com um palito para se irem virando sozinhos e crescendo mais.
Escorrer em papel absorvente e polvilhar, ainda quentes, com açúcar e canela.





terça-feira, dezembro 25, 2018

Filhoses de Natal sem gluten


Ainda não nos tínhamos aventurado nas filhoses sem gluten, resolvemos, este ano meter as mãos na massa e não é que surpreendeu tudo e todos? 

A massa foi rápida a amassar, fácil de estender e depois de fritas ficaram super estaladiças e empoladas - o que dizem ser bom sinal.

Para que o Natal chegue a todas as mesas celiacas partilho aqui a receita:

O que vamos precisar:
3 ovos
Raspa de uma laranja 
2 colheres de sopa de azeite
Meio pacotinho de fermento Fermipan sem gluten (dissolvido em 10 cl de agua morna)
1 pitada de sal
100 gr de farinha sem gluten Doves Farm self raising
200 gr de Mix Schar pan
1 cálice de vinho do porto ou favaios - podem substituir pelo sumo da laranja

Mãos na massa:
Dissolver o fermento em agua morna e mexer bem.
De seguida misturar a farinha, o sal, a raspa da laranja, o cálice de favaios ou o sumo da laranja. 

Abrir um buraco no meio das farinhas e juntam-se os ovos inteiros um a um. Amassar muito bem até que tudo fique bem homogéneo e comece a descolar das mãos, caso não fique com esta consistência vão acrescentando um pouco de farinha Doves farm até que consigam formar uma bola de massa. Deixem descansar a massa, por uma hora, em local protegido e tapado com um pano (coloquei dentro do microondas). 

Depois de fermentar e dobrar o volume retirem pequenos pedaços e estendam a massa (o mais fino que consigam), sobre uma superfície de pedra enfarinhada, com a ajuda de um rolo da massa. Façam pequenos quadrados ou rectângulos cortando-os também a meio como na imagem abaixo. 

Aqueçam o óleo, fritem as filhoses e retirem-nas do óleo para cima de papel absorvente. Polvilhem com açúcar e canela e levem para a mesa.

No outro dia continuam estaladiças. Confirma-se.



Bom apetite 
e boas gulodices sem gluten
*Bj sem espiga 


segunda-feira, dezembro 10, 2018

Pizaria Ginos | Sem gluten


Fomos conhecer o Ginos restaurante com menu completo sem gluten e com garantia APC.
Fomos almoçar, já tarde, restaurante praticamente vazio, o que da ajeito para quem vai com um bebe atrás. 
À primeira vista o espaço é muito agradável, bem decorado, grande, dividido em pequenas salas com divisórias de vidro tornando-o mais acolhedor.


Íamos super entusiasmados com o restaurante afinal de contas pizarias sem gluten não há assim tantas por aí.

Referi que era celiaca e que queria a carta sem gluten. Rapidamente colocaram à minha frente um individual para marcar o lugar celiaco e não haver duvidas nas trocas de pratos. Perguntei como eram confeccionadas as pizzas e foi-nos explicado que eram feitas num forno à parte e com todos os cuidados para não haver contaminação cruzada. Muito bem, isso é, sem duvida, o mais importante. 


Para entradas pedi, para mim, o pão de alho, na verdade na ementa referem 4 fatias e vieram apenas duas. Referi isso à empregada e ainda disse que não, que eram 2!!!!!! Não me quis chatear e disse só para terem isso em conta a outros celiacos ou então para corrigirem a carta. O pão que servem é super seco, aquecido e sem manteiga de alho praticamente nenhuma... Aliás, não tinha sabor a nada, molhei o pão num pouco de azeite que estava na mesa. E não, não aconselho...

Para comer escolhi uma piza, que estava boa mas não me surpreendeu, para uma pizaria...

O pior disto tudo é que como fui com pessoas não celiacas, os pratos deles foram servidos primeiro, pensando que o prato celiaco viesse pouco depois, eles esperaram um pouco. Disse-lhes para irem comendo pois iria fiar frio e perguntei ao empregado se ainda estava muito demorado. Resposta: uns dez minutinhos..... e não,  não foram dez foram quarenta minutos, ou seja, o tempo deles terminarem de comer. Fico fula quando acontece isto.....comi sozinha....porque não servem os pratos todos ao mesmo tempo???? 
para alem de porem os clientes em causa não sabem ver as horas...10 minutos não são 40, vale?

Também têm sobremesa, sem gluten, mas não me apeteceu, acho que me ia cair mal....

Para quem quiser ir o restaurante fica na Expo, alameda dos oceanos em Lisboa, quem sabe fui eu que tive azar, neste dia ;)






segunda-feira, outubro 08, 2018

Almôndegas com molho de tomate com esparguete | Sem glúten

Para quem leu o post anterior, deixo agora as almôndegas com molho de tomate que congelámos já prontas.

 


O que vamos precisar:
Para as almôndegas: 
para 800g de carne de vaca picada (28 bolinhas)
2 colheres de sopa de pão ralado sem gluten 
Dois ou três dentes de alho picadinho
1 ovo
Sal e pimenta a gosto
Misturar tudo e fazer bolinhas todas iguais.

Para o molho:
(para 20 almôndegas)
1 cebola
Azeite 
Sal e pimenta
2 tomates grandes
60ml de vinho branco
2 dentes de alho 
Manjericão (não coloquei desta vez) 


Mãos na massa:
Retirar a pele aos tomates e pica-los num processador ate reduzi-los a molho de tomate. Reservar.

Num tacho levar ao lume a cebola bem picadinha com uma boa quantidade de azeite. Adicionem o alho bem picado e umas folhas manjericão. Deixem cozinhar até a cebola ficar translucida. Juntem o vinho branco, convém que o tacho esteja bem quente para que o vinho evapore. 
Deixem reduzir e adicionem o molho de tomate. Se quiserem que o molho fique mais homogéneo e espesso podem triturar tudo com a varinha mágica. Deixem cozinhar por 30 minutos. Se acharem que o molho está um pouco acido podem regular essa acidez com uma pitada de açúcar, se for caso disso. 

Numa frigideira quente coloquem um fio de azeite e deixem corar as almôndegas. Após coradas juntem-nas ao molho de tomate e deixem cozinhar mais um pouco.

Podem dispo-las sobre esparguete al dente e polvilhar com folhas de manjericão. 

Bom apetite
*Bj sem espiga

Almôndegas com molho de cogumelos com esparguete | sem glúten

Quem não gosta de umas almôndegas com esparguete? Desde miúdos a graúdos.... todos apreciam este prato super guloso e saciante e caso seja feito, por nós, em casa, ainda sabe melhor. Digo isto porque o fazemos desde o inicio, desde as bolinhas de carne até ao molho natural sem ser de pacote e isso é tudo. e faz-se super rápido, não pensem que dá muito mais trabalho. 

Como sabem, vem ai uma bebé e como levo a vida de uma forma despachada e prática já estou mesmo a ver que não vou ter tempo de estar a pensar em jantares e almoços quando a bebé nascer. Mas também não tenho dinheiro para andar a comer fora, nem me estou a ver a ficar dependente de marmitas da mãe ou da sogra, nãhmmm. Então vai daí combinámos que à medida que fazemos as refeições diárias, fazemos em maior quantidade para depois congelar, organizadas em caixinhas, rotuladas e datadas. 

Então com as 800 gramas  de carne, que o mais que tudo mandou picar no talho, resolvemos fazer almôndegas. Rendeu 28 bolinhas de carne, 8 delas fizemos com molho de cogumelos e foi  o nosso jantar e as restantes fizemos com um belo molho de tomate para congelar em duas doses. 

Deixo aqui um alerta, para os iniciantes celiacos, para que tenham cuidado com almôndegas, hambúrgueres, salsichas frescas e a própria carne picada embalada, isto porque quase todas têm pão ralado ou farinha de trigo na sua confecção. Assim comprem com certeza de que o produto embalado menciona isenção de gluten, ou comprem a carne e mandem picar num talho da vossa confiança, ou piquem em casa se tiverem maquina.  

  

O que vamos precisar:
Para as almôndegas: 
800g de carne de vaca picada (28 bolinhas)
2 colheres de sopa de pão ralado sem gluten 
Dois ou três dentes de alho picadinho
1 ovo
Sal e pimenta a gosto
Misturar tudo e fazer bolinhas todas iguais.

Para o molho:
(e só para 8 almôndegas)
1 cebola
Azeite 
Sal e pimenta
Natas 
Cogumelos portobelo 



Mãos na massa:
Num tacho levar ao lume um fio de azeite e alourar a cebola bem picadinha. Assim que esteja lourinha adicionar as almôndegas e deixar fritar para que ganhem cor e fiquem pré-cozinhadas. 
Logo que estejam cozinhadas reserva-las num recipiente à parte.
No mesmo tacho adicionar ao azeite e ao suco libertado pelas almôndegas, os cogumelos partidos em cubos e deixem cozinhar. Se acharem que necessita juntem um pouco mais de azeite. Adicionem as almôndegas pré-cozinhadas e deixem cozinhar os cogumelos. Juntem depois um pacote de natas e deixem cozinhar por mais 10 minutos. Se acharem que o molho está muito espesso juntem um pouquinho de leite, e já está. Pronto a ir para a mesa.
Podem acompanhar com arroz ou com massa. Com este molho não vai sobrar nada para contar a historia. ehehehehe

  


Bom apetite
*Bj sem gluten 

terça-feira, setembro 25, 2018

Quiche saudável de legumes sem natas e sem gluten



Tem estado um calor daqueles. Um calor dos ananáses, como se costuma dizer. 

Na verdade tenho calor a dobrar, calor por duas ou não estivesse eu grávida...
Sim e perguntam vocês: 
Então e com um calor destes ligas o forno? 
Ligo, sou fã de forno ehhhhe de inverno e de verão

Agora a serio, com este calor não me apetece sequer comer nem cozinhar e o mais-que-tudo tem-me dado uma ajuda preciosa mas há que lhe dar receitas simples, fáceis e que se façam sozinhas (no forno)!!! Não é que ele não tenha mão para a cozinha que até tem. Nas massas e grelhados é master ;) 

No Facebook vocês pediram a receita e então cá vai ela. Super simples na verdade, o que é novidade aqui é que não usámos natas. Estas foram substituídas para que tornássemos a quiche mais saudável.

O que vamos precisar:
1 massa quebrada sem gluten da marca PASTA DO DIA (que eu adoro)
1 alho francês em rodelas finas
1 cogumelo fresco portobelo dos grandes, cortado em fatias finas
2 dentes de alho 
Tomatinhos cereja para decorar
Uma mão cheia de espinafres ao vosso gosto
1 fio de azeite
Sal e pimenta para temperar 
4 ovos
1 iogurte natural 
5 cl de leite 

Mãos na massa:
Pré-aquecer o forno a 180 graus.

Levar ao lume uma frigideira com um fio de azeite e os alhos picados, deixar alourar e juntar o alho francês. Deixar cozinhar um pouco e adicionar os cogumelos. Temperar a gosto com sal e pimenta. Deixem arrefecer um pouco.

Retirem a massa da embalagem e piquem-na com um garfo em toda a massa para que não empole enquanto está no forno. Forrem a vossa tarteira (eu deixo sempre o papel que vem com a massa, assim não sujo a tarteira, no fim retiro-o).

Vertam a mistura cozinhada de cogumelos e alho francês sobre a massa e por cima as folhas de espinafres.

Numa tigela batam os 4 ovos, juntem o iogurte e mexam bem ate que fique tudo homogéneo. No fim juntem ainda o leite.

Vertam o liquido sobre a massa e o recheio e no fim coloquem os tomatinhos cereja para decorar. 

Levar ao forno por 40-50 minutos. 
Fácil certo?


No fim acompanhámos com uma salada fresca de cenoura ralada e laranja, que eu adoro. 

Bom apetite 
*Bj sem espiga

terça-feira, setembro 11, 2018

A minha melhor receita



Os mais atentos já repararam, certamente, que não têm existido novas receitas, que o blog anda a meio gás e que tenho recusado todas as encomendas de bolinhos de aniversario sem glúten, verdade? 

A noticia que vos quero dar hoje é que o motivo disto tudo é que temos no forninho a nossa melhor receita de sempre. A nossa mini rapariga está a crescer e claro que não podia deixar de vos dar esta boa noticia que nos deixa tão felizes e emocionados. 
Durante muito tempo lutámos para que conseguíssemos que a nossa felicidade fosse ainda maior. Durante muito tempo sofremos, mas nunca baixámos os braços sempre achámos que iríamos conseguir custasse o que custasse! Até nos dizerem que era impossível, continuámos a nossa luta a dois que agora é a três! Cada dia é uma vitoria, cada dia é somado a todas as semanas, para conseguirmos ficar mais fortes. 
Este não tem sido um processo fácil, o antes e o durante, quase 80% do tempo é em modo descanso por indicação medica! Quem me conhece sabe bem que não paro quieta 1 segundo e de inicio pensei que seria uma tarefa impossível. O que é certo é que a Natureza se encarrega de nos mostrar o que realmente devemos fazer, basta ouvir o nosso corpo e fazer lhe a vontade

Acreditar sempre, arriscar e não deixar que o medo seja mais forte que a coragem, este é o lema para todas vocês, desse lado, que passem pelo mesmo. Infertilidade, abortos consecutivos sem razão, mortes fetais....O mesmo que vos falarei um dia e que hoje ainda é considerado tema tabú. Não devia, talvez eu e ele tivéssemos sofrido de uma forma mais leve com mais testemunhos. São processos longos, dolorosos para o casal e para a família, onde não ha respostas para tantas perguntas formuladas na nossa cabeça...Um dia contarei a minha, a nossa historia. 

Por agora continuamos a meio gás até alcançarmos o maior nr de semanas possíveis. As receitas que por aqui vão aparecendo são das minhas pessoas mais queridas que têm estado ao meu lado, as minhas pessoas luz, os meus trevos de 4 folhas 

quinta-feira, agosto 09, 2018

Granola caseira | sem glúten


Tenho de vos falar desta granola. Não sou lá muito fã de cereais e granolas mas esta deixou-me de boca aberta. Adorei. 
Fazendo em casa é de facto uma mais valia, isto porque podemos sempre adicionar o que mais gostamos, a nível de cereais e de frutos secos, controlamos o açúcar (o que é muito importante) e podemos sempre ir renovando o stock e a preços bem mais em conta.




O que vamos precisar:
2 chávenas de flocos de aveia sem gluten
1 chávena de frutos secos (usei noz, caju, amêndoa e avelã)
2 mãos cheias de passas de uva
1 mão cheia de flocos grandes de coco 
1/2 chávena de mel 
1/4 de chávena de óleo de coco 
1 colher de chá de canela
uma pitada de sal fino

Mãos na massa:
Cortar grosseiramente os frutos secos e misturar tudo num recipiente. Quando bem misturado espalhar a granola por um tabuleiro forrado com papel vegetal, como na imagem de baixo.
Levar a forno pré aquecido por 10-15 minutos a 180ºC, passados 10 minutos vão observando a vossa granola para que não queime. A ideia é que os ingredientes se agreguem e fiquem crocantes/douradinhos, mas sem queimar.


Depois desse tempo no forno é deixar arrefecer e parti-la em pedaços. Armazenar em frasco fechado. 
Podem acompanhar com iogurte e fruta variada. Fica ótima.
 

 Bom apetite
*Bj sem espiga

sexta-feira, agosto 03, 2018

Bolo de ananás, um clássico mas sem gluten


Lembro-me deste bolo desde a infância. Era um clássico das mesas de chá. Feito em forma redonda com ou sem buraco, ficava sempre com um aspecto divinal. Mas querem saber? Nunca lhe ligava muita importância. Até porque acho que já sendo celiaca, sem saber, me protegia sempre do pão, dos bolos e das pizzas....eram coisas que simplesmente dizia que não gostava. Hoje acho que era protecção inconsciente, como ficava mesmo mal disposta quando comia "trigo, cevada, centeio" o melhor mesmo era evita-los, claro sem saber! A natureza tem destas coisas. 

Bom memorias à parte, lembrei-me deste bolo nem sei bem porquê, mas meti na cabeça que seria este o eleito. Fui para a Internet à procura do que me parecia a melhor receita, claro que adaptei à versão sem gluten. A receita eleita foi esta, que copiei deste blog que desde logo gostei, obrigada No conforto da minha cozinha




O que vamos precisar:
5 Ovos
200 gramas de Açúcar (mas podem reduzir para 150)
Meia chávena de Óleo
250 gramas de Farinha (usei Doves Farm Self Raising)
1 colher e meia de chá de Fermento em pó, sem gluten
1 Lata de Ananás em rodelas (usei duas das pequenas, do Lidl)
1 chávena de Calda de Ananás (que vem na lata)
Caramelo q.b.

Mãos na massa:
Separamos as gemas das claras. Batemos as claras em castelo firme. Reservamos. Batemos as gemas com o açúcar até obtermos um creme fofo e esbranquiçado. Adicionamos metade da calda de ananás e o óleo. Misturamos. Adicionamos a farinha com o fermento aos poucos e incorporamos. Envolvemos delicadamente as claras batidas em castelo. 
Barramos uma forma de buraco com caramelo. Dispomos as rodelas de ananás pela forma (ver no vídeo como) e colocamos a massa por cima.
Levamos ao forno a 180ºC (não pré-aquecemos) por 40 a 50 minutos ou até o palito sair limpo. Picamos o bolo com um garfo e regamos com a restante calda.
Passamos uma faca à volta da forma e desenformamos ainda quente. Servimos morno ou frio. 

Bom apetite
*Bj sem espiga




terça-feira, julho 31, 2018

Carcacinhas de pão francês | Sem glúten






Quem me segue sabe que gosto de fazer o meu pão. De ter pão sem gluten feito por mim. Por uma razão muito simples, primeiro porque é fresco, depois porque sei exactamente o que leva na sua confecção. E estes são apenas de fécula de batata e farinha de arroz. 


A receita vi-a na Internet e guardei-a de imediato para a experimentar. Gostei imenso do resultado final. De miolo fofo e branquinho e por fora estaladiças com manteiga MEU DEUS!

O que vamos precisar:
Ingredientes secos:
2 chávenas de farinha de arroz
1/2 chávena de fécula de batata
1 colher de sopa de goma xantana
1 colher de chá de sal

Líquidos: 
1 ovo inteiro 
1/2 chávena de oleo 
1 colher de sopa de mel
1 chávena de agua
10 g de fermento seco


Mãos na massa:
Pré aquecer o forno a 180ºC.

No processador bati todos os ingredientes líquidos. Depois, sempre com a pá misturadora das massas, incorporei os sólidos, Deixei bater até virar uma massa, como na foto. Para quem não tem processador podem usar para os líquidos um liquidificador e para bater a massa uma batedeira (com pás de massa). 

Numa bancada com farinha, moldar um pouco a massa à mão, para que fique moldável. Vão incorporando/polvilhando com farinha de arroz à medida que vão trabalhando a massa. Não precisou muito tempo, ficou rapidamente moldável. 

Dividam a massa em pedaços iguais e moldem como mais gostarem, podem fazer baguetes, bolinhas, carcacinhas ...

Colocar os pãezinhos sobre um tabuleiro revestido com papel vegetal e deixar crescer um pouco até que dobrem de volume.

Antes de os levar ao forno, pincelei com azeite para lhes dar uma cor mais dourada. 

Levar ao forno por aproximadamente 25 a 30 minutos ou até estarem dourados. Vão espreitando. 

E pronto a delicia está pronta! Ainda quentes com manteiga é um luxo.

|A receita foi tirada do Instagram da Sam Cakes