sexta-feira, julho 20, 2018

Pataniscas de atum e curgete

As pataniscas, para quem é celiaco, ficam postas de parte, pois levam farinha de trigo na sua confecção. Mas não precisamos de ficar a pensar nelas durante muito tempo. São muito fáceis de fazer e então sendo de atum ainda ficam mais rápidas de preparar. 

Acompanhadas com um arroz de tomate ou feijão ou simplesmente para levar para um piquenique caiem sempre bem. Uma atrás da outro e marcham todas num instante.

Adicionei courgete pois cá por casa tentamos incorporar sempre um ou mais vegetal ou legume ao prato principal. Mas podem não colocar ou incorporar outro que gostem mais.

Geralmente  o formato das pataniscas é mais achatado, que não foi o caso destas que parece uns sonhos de Natal, mas juro que são mesmo pataniscas ahahaha

Se quiserem espreitar as de bacalhau estão aqui.


O que vamos precisar:
1 lata de atum
1 cebola pequena
3 ovos
meia courgete ou uma se for pequena
50gr farinha + 1 colher de sopa - usei Schar para pão
salsa q.b.
óleo para fritar  
sal q.b.
pimenta q.b.


Mãos na massa:

Picar a cebola bem picadinha, e a courgete também.  
Juntar os ovos, a salsa picada, e a farinha até obter um creme homogéneo.

De seguida e depois de tudo envolvido acrescentar o atum e temperar com sal e pimenta q.b.

Com ajuda de uma colher de sopa, fritar "colheradas" do creme, em óleo bem quente, de ambos os lados, até ficarem douradinhas.

Depois de fritas colocar as pataniscas num prato com papel absorvente para retirar o excesso de gordura.

Bom apetite
*bj sem espiga

segunda-feira, junho 18, 2018

Caracóis feitos e casa | Sem glúten | Sem Knorr


Bom, hoje trago caracóis, um petisco tão apreciado por uns mas tão odiado por outros.  Na verdade um petisco com poucas calorias e muitas proteínas. Verdade! 
Aqui sempre gostámos deste petisco, mas como sou celiaca é sempre arriscado comer em restaurantes, isto porque geralmente são colocados os famosos e detestáveis caldos Knorr na sua confecção.

No Facebook quando postei este pratinho de caracóis feito em casa, pediram-me a receita e como sou uma menina bem mandada vou deixar-vos aqui. Já tenho visto varias formas de fazer caracóis, mas sempre acho que a da minha cunhada é a melhor. Já vão perceber porquê. 

O primeiro "truque" é comprar caracóis não muito sujos nem muito partidos. Antigamente comprava no mercado mas tinha de os lavar imensas vezes até achar que estavam bons (eu sou esquisita, ou ficam mesmo bem lavados ou não dá). Agora costumo comprar na Casa dos Caracóis e não quero outra. Vendem confeccionados e crus ao kg e com vários tamanhos até à famosa caracoleta.

O que vamos precisar:
1 kg de caracóis
1 cabeça de alho com casca (esmagados)
1 malagueta cortada
2 colheres de sopa de sal grosso 
Oregãos a gosto 
1 fio de azeite 
Bacon ou entremeada ou toucinho (uso entremeada 2 a 3 tiras)

Mãos na massa:

Lavar os caracóis em varias aguas. O que faço é lava-los na cuba do lava loiça, vou deitando agua e esgotando, até que ache que estão bem lavados. Depois dessas lavagens ainda encho a cuba de novo, com os caracóis dentro e duas mãos de sal para que limpem mais um pouco. Deixo-os de molho uns 10 minutos e esfrego-os uns nos outros com as mãos. Uma ultima lavagem e estão bons. 

Depois de bem lavados levá-los a cozer, em lume brando, numa panela com agua (até cobri-los) e tapar a panela. Passados 10 a 15 minutos, depois de cozidos, deitem essa agua toda fora e passem-nos por agua quente. Assim ficam bem lavadinhos de certeza. Muita gente não faz este passo, ou seja esta agua é aproveitada para o passo seguinte,  mas nós não a usamos.

Numa outra panela, colocar um fio de azeite, as entremeadas, os alhos esmagados com casca, a malagueta, o sal e os caracóis. Cobrir com água. 
Os oregãos como não gosto de os encontrar, coloco as folhinhas de oregãos naquelas bolinhas furadas do chá e coloco-a lá dentro, mas podem colocar as fohnlinhas directamente na panela que não tem mal. Vão a cozer cerca de 20 a 30 minutos e já está. Assim que apagarem o lume deixem repousar uma meia hora para que fiquem mais apuradinhos, faz diferença. 

Bom apetite
*bj sem espiga

quarta-feira, junho 13, 2018

Bolo mármore no liquidificador | Sem gluten

Este bolo é tão fácil e rápido de fazer que quando aperta  a vontade de um bolinho caseiro da avó é este que sai. Fica fofo, grandinho e guloso - que é o que se quer. É ou não é?
E ainda satisfaz os desejos dos dois, cá de casa, metade com chocolate metade sem!!
Para quem quiser experimentar deixo aqui a receita. 






O que vamos precisar:
4 ovos
1 chávena de leite
1/2 de chávena de óleo (usei de amendoim)
1 e 1/2 chávena de açúcar
2 chávena de farinha sem gluten (usei Doves Farm Self Raising)
1 colher de chá de essência de baunilha ou vagem de baunilha
2 colher de chá de fermento
1 colher de sopa de chocolate (usei chocolate puro à venda no Mercadona, mas podem usar Nesquik)

Mãos na massa:
Pré-aquecer o forno a 200ºC.

No liquidificador juntar todos os líquidos e mexer. De seguida adicionar o açúcar e a essência de baunilha e voltar a mexer. 
Por fim adicionar a farinha e pulsar, pouco tempo somente para misturar e homogeneizar. Por ultimo juntar o fermento e voltar a pulsar, também por pouco tempo.

Verter metade da massa para um recipiente e adicionar o chocolate. Misturar para incorporar todo o chocolate na massa. 

Untar uma uma forma de bolo (com buraco) com margarina e farinha, e verter uma colherada de massa branca e outra de massa de chocolate e assim sucessivamente, isto para fazer o efeito de um bolo mármore. Para a segunda camada em cima da massa branca colocar uma colherada de massa de chocolate, e por cima da massa de chocolate, massa branca. Como na imagem.
Se acharem difícil, podem fazer uma camada branca, por cima uma camada castanha e fechar com uma camada branca. 


Levar ao forno por 30/40 minutos a 200ºC. Façam sempre o teste do palito antes de o tirar do forno (nunca antes de 30 minutos dentro do forno), isto porque os tempos de cozedura dos fornos são muito diferentes uns dos outros.

Bom apetite 
*bj sem espiga

segunda-feira, junho 11, 2018

Papas de aveia cor de rosa | Sem gluten


Já que o calor teima em aparecer, ainda me vão sabendo bem umas papinhas de aveia ao lanche ou ao pequeno almoço.
E estas, para além da cor, ficaram ótimas de sabor e textura.

Fiz assim:
1 medida de flocos de aveia sem gluten (usei um copo pequeno)
2 medidas de leite (o que quiserem)
1/2 medida de água
Uma mão cheia de framboesas 
1 pitada de sal
Mel a gosto (podem não colocar)

Levar ao lume a aveia, o leite, a água e as framboesas. Quando começar a levantar fervura adicionem a pitada de sal e  envolvam bem. Deixem cozinhar mais um pouco (no máximo 10 minutos, não mais), mexendo sempre, até que ganhe a goma típica das papas de aveia. Assim que estejam prontas e se optarem por colocar mel, é a altura certa.
Aqui e antes de servir passei tudo na varinha magica, não totalmente mas para disfarçar os maiores pedaços. Adorei a textura desta forma. Ficou mesmo uma papinha doce e cheia de cor.

Sirvam em taça decorada ao vosso gosto. Eu coloquei amêndoa laminada, coco laminado, mirtilos e framboesas da Widbessy-Drupus. 

Para quem ainda não conhece pode ver aqui. Fazem entregas no trabalho ou em casa. E os preços valem mesmo a pena. 




Bj sem espiga 
Bom apetite

segunda-feira, junho 04, 2018

Arroz de pato sem gluten

Arroz de pato? Adoro! Mas até aqui era sempre a mãe que o fazia até que hoje decidi fazê-lo eu! e não correu nada mal. Ficou muito saboroso, o arroz não ficou solto solto (que não gostamos) mas também não ficou seco ou empapado. 




O que vamos precisar (para 2-3 pessoas):
Metade de um pato com pele
azeite q.b.
sal q.b.
1 + 1/2 cebola
1 alho francês
3 cravinhos 
Meio chouriço caseiro 
Arroz agulha - usei 2 medidas e meia de um copo 
1 gema de ovo 

Mãos na massa:
Vamos começar por cortar ao meio uma cebola, e em fatias grossas o alho francês. Numa panela alta, sobre um fio generoso de azeite coloquem a metade de pato com a pele virada para baixo, juntem os legumes, os cravinhos e temperem com sal. Deixem cozinhar e fritar a pele do pato um pouco. Depois adicionem água, quanto baste para aproveitar e fazer o arroz - Atenção que com a cozedura a água evapora muito, se necessário acrescentem água a meio da cozedura. Nesse momento acrescentem também o chouriço. Não se esqueçam de rectificar o sal.

Quando o pato e o chouriço estiverem cozidos, retirem-nos da agua de cozedura, deixem arrefecer e limpem-no de de peles, gorduras, osso e desfiem-no todo. O chouriço podem cortar umas 4 ou 6 fatias fininhas e o resto em cubinhos. Reservem toda a carne e a água da cozedura também.  

Para o arroz, refoguem metade de uma cebola, bem picadinha, num tacho com um fio de azeite. Assim que esteja dourada adicionem o arroz, para que frite q.b. Aos poucos vão juntando, a água de cozedura do pato, previamente coada, ou coando com um passador à medida que a juntam ao arroz com uma concha. Rectifiquem o sal se necessário.

O arroz fica com uma textura cremosa e são vocês que controlam essa textura à medida que lhes juntam a água. 

Quando o arroz estiver cozido (atenção que não necessita estar muito cozido, pois ainda vai ao forno), num pirex de ir ao forno coloquem uma camada de arroz, por cima o pato e o chouriço em cubinhos bem espalhados ao longo do pirex e por cima outra camada de arroz. Por cima pincelem com uma gema de ovo batida e decorem com as fatias de chouriço.
Levar ao forno só a tostar o ovo.

Bom apetite 
*Bj sem espiga 

terça-feira, maio 15, 2018

Caldeirada de bacalhau rápida e sem gluten

Bacalhau cá em casa é de todas as maneiras e feitios à boa moda portuguesa, eheheh
Há dias, partilhei este pratinho de bacalhau, uma espécie de caldeirada fácil. Pediram a receita e cá está ela.
Fica ótimo e é um prato conforto que ainda sabe bem enquanto não vem o calor.


O que vamos precisar:
1 posta de bacalhau grande para dois
batatas em cubos (quantidade para dois)
1 cebola picada ou em rodelas 
2 dentes de alho picados
2 a 3 tomates maduros e sem pele (quem quiser pode usar de conserva)
1 folha de louro
pimenta e sal a gosto
1 colher de sobremesa de colorau 
vinho branco (1copo mal cheio)


Mãos na massa:
Cortar as batatas em cubos e reservar.
Cozer dois ovos e reservar,.
Cozer o bacalhau. Limpar de espinhas e peles e desfiar em grandes lombos. reservar o bacalhau e a agua de cozedura. 
Num tacinho alourar a cebola, o alho e a folha de louro. Quando loura juntem o tomate em cubos e deixem refogar. Assim que o tomate esteja desfeito reguem com um pouco de vinho branco e deixem apurar. 
De seguida adicionem as batatas em cubos e juntem agua de cozedura do bacalhau, até as batatas ficarem todas debaixo de agua. É tempo de temperar com sal, pimenta e colorau a gosto.  

Quando as batatas estiverem quase cozidas (piquem-nas com um garfinho) adicionem os lombos de bacalhau, salpiquem com coentros a gosto e deixem cozer o tempo restante, apurando mais um pouco. 
Quando pronto adicionem os ovos cozidos partidos em meias luas e levem para a mesa.


segunda-feira, maio 14, 2018

Arroz malandrinho de Pescada | Sem gluten

Pescada? Sim ou não? Confesso que não é dos meus peixes favoritos e que tenho vários critérios para a comer 
Primeiro têm de ser pratos bem cozinhados sem aquele sabor a pescada cozida.
Segundo a pescada tem de ser fresca e não congelada

Hoje para o jantar saiu um arrozinho malandrinho fácil e super saboroso de pescada.



O que vamos precisar:
Arroz para duas pessoas (faço sempre 4 a 5 mãos)
2 a 3 tomates maduros e sem pele
1 cebola
2 dentes de alho 
2 postas de pescada ou um rabinho grande
coentros, sal e pimenta ao vosso gosto
1 copo de vinho branco 
1 colher de sobremesa de colorau (opcional)

Mãos na massa:

Cozer a pescada em água e sal. Quando cozida, retirar as peles, as espinhas e desfiar em lombos grandes. Reservar a pescada e a agua de cozedura coada.

Num tachinho alourar a cebola picadinha num fio de azeite. Quando loura juntar os dentes de alho picadinhos e o tomate bem partido em cubos. Deixar refogar um pouco e adicionar o arroz, mexendo para o incorporar no refogado. De seguida adicionar o vinho branco e deixar que o arroz absorva todo o vinho adicionado, tal como um risotto, sabem?

Quando o arroz tenha absorvido todo o vinho é hora de juntar aos poucos a água de cozedura da pescada. Vamos sempre mexendo e adicionando agua até que o arroz esteja cozido. 
Temperem de sal, pimenta a vosso gosto e o colorau.

Quando estiver quase cozido, podem adicionar os lombos de pescada. Juntei-os nesta altura para que não se desfizessem à medida que ia mexendo o arroz. Gosto que fiquem assim.

Salpiquem com coentros picados e levem para a mesa. Fica delicioso.

Bom apetite 
*Bj sem espiga 


segunda-feira, abril 09, 2018

Empadas super fáceis | sem glúten


Acreditem ou não estas empadinhas são super rápidas de fazer, sem ser preciso amassar, fermentar, esperar e essas coisas que não são amigas deste blog. Quando vi esta receita quis logo experimentar pois a ser verdade dão óptimas empadas de frango, de atum ou mesmo de chouriço, assim a imitar os pãezinhos com chouriço, sabem?

Resolvi fazer de atum para ser mais rápido, pois o que queria mesmo era saber se eram possíveis e reais. E não é que são? 



O que vamos precisar:
Para o recheio:
2 latas de atum pequenas ou 1 grande
Milho 
1 cebola pequena
2 dentes de alho
1 fio de azeite 
pimenta a gosto

Para a massa:
200 ml de leite
200 ml de agua
2 ovos 
220 gr de farinha sem gluten (usei Schar Mix Pan)
sal e pimenta a gosto

Mãos na massa:
Alourar a cebola e o alho num fio de azeite. Adicionar o atum e o milho e deixar refogar um pouco. Reservar.

Para a massa; bater os ovos com um garfo, adicionar o leite e a agua. Temperar com sal e pimenta a gosto. A esta mistura de líquidos adicionar aos poucos a farinha e ir mexendo, até que a massa fique homogénea. A massa não fica nem muito liquida nem muito grossa.

Numa forma de silicone ou em forminhas untadas com manteiga e farinha, encham até metade cada forma, com a massa. Por cima coloquem uma colher do vosso recheio e voltem a colocar massa por cima de modo a que o espaço da forma fique quase cheio. Não os encham totalmente pois crescem um bocadinho. 
E pronto é só isto! Ao fim de 40 a 45 minutos de um forno pré-aquecido a 180ºC têm umas empadinhas prontas.

POdem acompanhar com uma salada, um arrozinho de couve coração (como foi cá em casa), ou mesmo leva-las para o trabalho para um almoço rapido ou para um lanche mais guloso. Para piqueniques que vem aí o bom tempo, como uma entrada de uma mesa de aniversario sem gluten...sei lá ideias não faltam. E ainda há quem diga que receitas celiacas são difíceis?


Bom apetite 
*Bj sem espiga


sexta-feira, abril 06, 2018

Maionese de abacate e manteiga de alho

Hoje é sexta feira e começamos assim, a entrar bem no fim de semana. Com umas entradinhas boas, enquanto o jantar está no forno, vamos petiscando um pãozinho torrado, sem gluten, e barrado com manteiga de alho e esta deliciosa maionese de abacate, que vi nas Receitas da Tia Cátia. 

Fica óptima para por na mesa daqueles jantares de ultima hora. Faz-se bem rápido e sem dar muito trabalho. Num instante temos na mesa duas entradinhas que todos gostam. Tostem o pão no forno enquanto as preparam e sirvam quentinho, pronto a receber a manteiga de alho, aiiiiii maravilha!!

A maionese de abacate também fica ótima para barrar crepes ou Wraps salgados.



Para a maionese de abacate:

Retirar o caroço e a pele do abacate. Colocar num copo misturador.
Dentro do copo misturador acrescentar:
Um dente de alho, 
20 a 30 ml de azeite, dependendo do abacate e se gostam da maionese mais liquida ou mais espessa. 
Sumo de meio limão 
Sal, pimenta e coentros q.b
Misturem tudo com a varinha magica e sirvam. Está pronta!



Para a manteiga de alho:
Colocar um pouco de manteiga num processador, 1 ou 2 dentes de alho e coentros q.b.
Misturem tudo.
Caso a vossa manteiga esteja muito fria e não consigam que fique com uma textura cremosa, acrescentem um fiozinho de azeite, vai fazer a diferença.


A foto não transmite mas a maionese fica com uma cor linda, bem verdinha clara e com o contraste das pintinhas dos coentros picados a verdes escuro. Apetece mesmo comer.

Bom apetite
*Bj sem espiga

Pão rápido de frigideira_ Só com dois ingredientes





Este pão leva só 2 ingredientes!!
3 colheres de sopa de farinha Doves Farm Self Raising 
3 colheres de sopa de iogurte grego

Misturem bem com a ajuda de uma colher, acrescentem uma pitada de sal e umas gotas de azeite! Quando bem misturada, partam a massa em duas, alisem com o rolo e frigideira com ela até tostar um pouco de ambos os lados. Recheiem com o que mais gostarem, dá para lanches e até almoços! Ideias não me faltam 

Já andava há tanto tempo para experimentar este pão, mas ficava sempre de pé atrás até que vi fazer o Jamie Olivier e pronto lá decidi meter as mãos na massa. Só vos digo que é óptimo tanto de sabor como de textura e super rápido de fazer! Mas também vos digo que me parece que só sai assim, perfeito, com esta farinha! Já tentei com polvilho doce, com a farinha da Schar e não funcionou! Continuamos nas experiências! Se experimentarem aguardo feedback desse lado!