sexta-feira, fevereiro 07, 2014

Assumir e viver com a DC

(Descobriste que és celiaco? e agora? post V)
PODE SER CONFUSO…OU DIFÍCIL?

Hum hum!! As primeiras semanas SIM!! É normal, não se preocupem.

Vai-vos apetecer a massa do vizinho do lado… O cheiro a pão acabado de fazer, ao passar na padaria… Os bolos cheios de creme na vitrine da pastelaria, perto de casa, vão chamar-vos a atenção! E a pizza? A pizza que a pessoa à vossa frente, está a comer, com um ar satisfeitíssimo?
Vai apetecer de certeza! O organismo, ainda, vos pede isto! Ainda sentem desejo e vontade de comer certas coisas que não podem. Pelo menos em certos locais como padarias, pastelarias, restaurantes…. 

A ideia é dizer NÃO ao glúten para sempre e desde o início da dieta! Assim, fica mais fácil, para nós! Desde que comecei a fazê-la (e não como glúten há 10 anos), acreditem que a minha VIDA mudou, as minhas análises estão muito bem, deixei de estar cansada frequentemente, e o mau estar desapareceu por completo. Deixei de estar doente e passei a ser saudável, desde aí comecei a sorrir à VIDA! 

Continuo e não me canso de dizer que pode não ser fácil resistir à comida que estávamos habituados, mas vale tanto a pena, em troca de uma vida feliz e sem agonias constantes... e depois de entrarmos nesta rotina fica mais fácil e até mais saudável, do que estavas habituado! 
Facilmente te apercebes que a dieta sem glúten é a tua solução, não o teu problema! e não sou só eu que o digo ;)

Quando descobri a DC, ainda morava com pais e mano, todos eles consumidores de glúten! Desde logo tive muito cuidado em explicar o que era, os alimentos que podia ingerir, onde podia estar o glúten, e mais tarde soube o que podia ser a contaminação cruzada. Não é fácil, quando moramos com mais pessoas que não fazem a dieta, mas tudo correu bem. Tinha os meus utensílios, os meus tachos e panelas e uma parte da bancada era só aqui da princesa. Posteriormente, quando comecei a torrar o meu pão tinha uma torradeira só para mim. Não é um privilégio?

Quando fui morar sozinha, longe dos meus, foi mais fácil, pois tudo era sem glúten na minha casa! Mas, ainda assim, tive de enfrentar outras questões…
Nessa altura já estava a trabalhar e frequentemente as refeições eram feitas fora de casa. Esse foi um desafio, entre outros, de ter de explicar a minha condição ás pessoas à minha volta – isto há 10 anos atrás….mais difícil que hoje, ainda assim! 

Poderão existir momentos em que vos apetece desistir desta dieta, ou ter de enfrentar situações mais embaraçosas, mas sem dramas, são contornáveis! 

Acontecia-me muitas vezes, ao início, quando fazia viagens longas de trabalho…lembro-me de parar em postos de gasolina, cheia de fome, querer comer qualquer coisa… e não existir nada sem glúten! Ter de ficar a trabalhar em equipa até tarde, e alguém dizia que ia buscar sandes de leitão para todos… SANDES DE LEITÃOOOO???? Nãoooo!!!!! Rapidamente me habituei a ter sempre comigo bolachas e pão sem glúten, para qualquer emergência.

Ou quando vamos a casa de alguém e, tão orgulhosamente, nos servem almôndegas com esparguete, ficando a olhar para nós, ansiosos, para que se iniciemos tal degustação!

E nos aniversários? Meu Deus, os aniversários! Quando te tentam impingir uma fatia de bolo altamente “contaminada”!!! E ainda te dizem para não fazeres tal desfeita…

Por isso, digo para assumirem a V. condição, se não, o que fazem quando o prato das almôndegas está à vossa frente? Dizem que não vão comer? Ou fingem que comem para não parecer mal? 

Existe, infelizmente, ainda pouca informação sobre a DC, e talvez quando explicares as consequências de comeres glúten, vai haver quem não entenda muito bem ou quem diga que se comeres um bocadinho da fatia de bolo, só para provar, que não te faz mal! O pior é que faz, e TU SABES DISSO!! Não te faças mal a ti! Não comas ou finjas, para parecer bem! Batota não vale e mentiras também não! Vão sentir-se ainda pior… Assumam e expliquem as consequências! Por haver pouca informação, e sendo nós os maiores conhecedores desta doença, vamos nós divulgá-la!


*Bj sem espiga
e boa sexta-feira weeeee!!!
Amanhã continuo com o post VI, lembram-se serão até domingo.

8 comentários:

  1. Verdadeeee! Um celiaco anda sempre com a marmita atras aahhhhh

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Paula é a salvação sempre. Nunca se sabe o que vamos encontrar. A marmita ou o tupperware com bolachinhas já me salvaram em muitas ocasiões. ;)

      Eliminar
  2. Odeio quando dizem "só um bocadinho não fará mal" ou " são invensões dela" ou "ela sabe lá o que tem, não deve ter nada!". Pois, eu nessas situações não como, ponto final. Agradeço a gentileza e explico a razão. Normalmente oferecem-me bolachas de água e sal, que eu novamente agradeço e recuso degustar. Tal como vocês, também ando com um tupperwear pequenino com bolachas, para trás e para diante, para situações de emergência de fome, de resto a marmita é a melhor solução. Uma situação chata é pessoas saberem que a comida é diferente e especial, por perigo de contaminações, e vão lá com o garfinho cheio de glúten para provar...Raiva! Ou, quando ao meu lado, sacodem os dedos das migalhas do pão glutinioso que estiveram a comer previamente. Pá, há cada pessoa mais inconsciênte...Depois Ficam pasmados quando coloco os talheres lado a lado, finalizando a refeição... Recuso-me a continuar quando sei que cairam migalhas alheias no meu prato. Por várias vezes, comer à volta não bastou. Há quem defenda que a mente é que comanda o corpo, a essas pessoas respondo sempre uma aventura triste que tive quando, sem saber, comi uma broa de natal sem gluten feita especialmente para mim, logo, purinha da silva. Horas depois o inferno acontecia, e eu sem saber porquê de tal evento fedurento e doloroso. Mais tarde, a minha querida avó contou, cheia de medo, que tinha talhado a broa com um bocadinho pequenino de farinha de trigo.... Oh, a minha querida avó fez uma broa deliciosa, e mesmo sabendo que não devia usa-la, pensou "só um bocadinho não faz mal", Eu perdoei-a, claro, mas pedi-lhe que não voltasse a repetir e, caso acontecesse, que me dissesse antes de eu tocar nas broas. :) Beijinhos para vocês e que tudo seja sem glúten!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ola, obrigada por partilhar também o seu testemunho, gostei muito de ler. é isso mesmo.
      fartei-me de rir com as bolachas de agua e sal, a mim por vezes também me oferecem bolachas integrais...mas não é por mal, tal como a sua avó, que não fez por mal. Por isso digo que o assumir da DIG é essencial tanto para nós como perante os outros. Nós podemos e sabemos passar a mensagem. keep going gluten free

      Eliminar
  3. Obrigada Lipita por tantos esclarecimentos! Isto é mesmo importante pa começar a lidar com a doença. Outra dificuldade que tenho encontrado é nos produtos processados, pois nunca sabemos ao certo, então uma das minhas estratégias é telefonar para o apoio ao cliente que vem no rótulo e tirar as teimas! Beijinhos e obrigada pelo empenho em passar a informação.

    ResponderEliminar
  4. Ola Ana, Obrigada pela partilha, isso mesmo! Essa é uma boa estratégia.
    keep going gluten free ;)

    ResponderEliminar