terça-feira, outubro 08, 2013

Doença Celíaca, o meu diagnostico

Hoje vou falar de mim, não gosto, mas achei importante!

Há uns anos que descobri que tinha Doença Celíaca (DC). Nessa altura perguntei: e agora? A minha cabeça encheu-se de dúvidas! Sentei-me à frente do computador e procurei respostas. Na altura não havia muitas! Falei com os meus médicos, investiguei, e queria conhecer alguém igual, que tivesse os mesmos sintomas e restrições que eu... Mas não conheci!

Descobri sintomas anormais assim que entrei para a faculdade, onde estava a frequentar o curso de Engenharia, área em que trabalho actualmente. Mas sempre associei os sintomas de cansaço intenso ao facto de estar a viver uma nova etapa na minha vida, mais agitada, muita correria de um lado para o outro, aliado ao ginásio que decidi frequentar, só para ganhar alguma massa muscular. O cansaço era muito, mas o meu espírito persistente fazia com que todos os dias levantasse o esqueleto da cama e o levasse ate á faculdade. Não conseguia ter o rendimento que queria… a cabeça estava cansada, assim como todos os músculos do meu corpo. Os dias eram preguiçosos, contrariamente ás noites agitadas sem conseguir dormir 2 horas seguidas, sequer. De hora a hora a barriga reclamava com fome. Mas fome mesmo, chegando ao ponto de ir ao frigorífico e comer a feijoada, que havia sobrado do jantar. E sem engordar, na altura pesava 46kg. Com a barriga mais composta, tentava dormir, mas infelizmente os episódios de dores abdominais, diarreias e enjoos não me deixavam descansar. E a ansiedade aumentava, sabendo que daqui a algumas horas teria de me levantar e pôr-me a caminho. Hoje, quando olho para trás, vejo que já fazia algumas exclusões involuntariamente. Eliminava o pão, as massas e as pizzas, por associação ao enfartamento e à má disposição constante.


E passei uns tempos nisto, condicionada demais, na minha vida. Até que, a minha melhor amiga de sempre e para sempre, mãe, me arrastou literalmente para o médico! Estava a definhar! Embora sempre a negar, e a dizer, que não seria nada. Já na minha infância era magrinha, sempre fui! Talvez fosse de mim. Talvez fosse assim!! Achava normal.

Nessa altura conheci a Professora Drª Estela Monteiro, médica excepcional, que me diagnosticou DC, após análises ao sangue, biopsias e uma radiografia contrastada (hoje sei que existem métodos diferentes). Disse-me com um ar espantado, que não sabia como estava, ainda de pé! E mais espantada ficou, quando lhe referi que ainda frequentava o ginásio! Claro, levei logo um “raspanete”! Mas como iria eu saber? O cansaço que tinha associava-o as idas ao ginásio, para ganhar alguma massa muscular (achava eu) e nunca a uma doença.

Estava explicado, o porquê de me levantar hora a hora. A minha digestão era feita em 45 minutos e portanto a “fomeca” era demasiada. Apesar do muito que comia, pouco era assimilado. As carências vitamínicas e de minerais eram notadas, assim como, o meu estado anémico grave por carência de ferro, daí o forte cansaço e dores musculares. NÃO ERA DO GINÁSIO!!

Numa consulta, depois de todos os exames feitos, foi-me explicada, com toda a paciência do mundo, o que era esta doença, as suas implicações e a dieta que teria de abraçar para toda a vida e lembro-me da seguinte frase que a Drª me disse: “nem a migalha que estiver em cima da mesa, você pode comer”. OK! Percebi que era coisa para levar á letra, ou melhor à migalha! Logo de seguida perguntei: Gravidez, irei ter problemas? Medicamentos, terei de tomar? Sem problema! Óptimo. Pergunta seguinte: onde compro estes alimentos?

Claro, não foi logo assim tão fácil e tão rápido, tive de tomar reforços de ferro e fazer alguns exames de rotina.

Saí da consulta, e lembro-me de duvidar daquilo! Como é que, fazer uma dieta rigorosa sem glúten, sem ter de recorrer a medicação, me vai ajudar a recuperar? Mas fiz! Fazer para crer! A partir daqui a minha vida mudou. COMPLETAMENTE.

Passei a ter uma alimentação mais cuidada e a comer TUDO sem glúten, fiz uma lista do que podia e não podia comer, falei com os meus pais e mano, do que podia comer ou não…nessa altura ainda estávamos todos juntos. Nos alimentos que tinha duvidas, evitava!

Aos poucos, ia falando com os meus amigos mais próximos, e achava muita piada porque uns dias a seguir já eram eles que me diziam podes/não podes. Hoje, já nas suas próprias casas, quando me convidam, não preciso dizer mais nada. Sabem tudo o que contém e o que não contém glúten. E fico comovida, porque dão-se ao trabalho de também, os de casa, comerem sem glúten, comigo. Adoro-os! São meus amigos!

As alterações que fiz, na altura e que ainda  mantenho são até positivas:

  • Passei a ler todos os rótulos, mas ainda assim percebi que não seria por aí, nem todos os produtos estão identificados correctamente e surgem imensas dúvidas no início. Acho que é por ter uma ligação próxima da cozinha, que me levou, mais rápido, a conhecer todos os ingredientes que continham glúten.

  • Passei a frequentar, mensalmente, semanalmente, as lojas Celeiro. E também a gastar mais dinheiro!

  • A organizar a minha dispensa de forma diferente, criando o meu cantinho sem glúten!

  • Passei a lanchar e a tomar o pequeno almoço fora. Que, na minha opinião, é o mais “difícil”.

  • Quando como fora, em restaurantes, procuro escolher, no menú, alimentos que naturalmente não contêm glúten.

  • A ter a minha própria torradeira. Não há cá, nem pode haver, misturas!

  • Nas viagens, que faço, não corro riscos e levo sempre o nosso pão dentro da minha mala de viagem. Menos roupa, mais saúde!

  • Comecei a pensar que não sabia fazer bolos. Todos me saiam duros, desagregados e muito “enfezados”!

Fiz a dieta, mas é preciso paciência, persistência e aconselho a não desistir, porque os resultados e a qualidade de vida são imensos.

Só passado um ano, comecei a sentir que estava diferente, comecei a melhorar as minhas capacidades físicas e mentais. Consegui finalmente ganhar algum peso e os sintomas que tinha forma desaparecendo gradualmente. Passei de um estado condicionador, depressivo, mais neura, e anémico para um estado muito libertador. E senti-me tão melhor comigo e com os outros.


Quando criei o meu cantinho “blogosférico”, dei vida à “Rapariga do Blog ao Lado” que conjuga a minha condição alimentar, ás minhas duas paixões: a culinária e a fotografia. Afinal esta condição gira à volta de comida! Penso que é necessário desmistificar e divulgar a DC, explicar ás pessoas que nós, celíacos, conseguimos levar uma vida perfeitamente normal. Que não somos esquisitos, maníacos, ou simplesmente não comemos glúten por capricho. Sem glúten somos mais felizes.

*Bj sem espiga

12 comentários:

  1. Obrigada pelo testemunho, é preciso passar essa mensagem, há muitos celíacos por diagnosticar, e fazer passar também a informação de que lá porque se chama dieta sem glúten não quer dizer que seja apenas uma dieta para emagrecer...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Lucente pelo comentário, todos juntos iremos conseguir passar a MENSAGEM.

      Eliminar
  2. Adorei o post de hoje! identifiquei-me com esta historia e com as alterações que temos de fazer na nossa vida. Ainda me ri sozinha.Obrigada ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Paula, obrigada pelo comentário. É verdade que fazemos varias alterações mas são compensadas com a qualidade de vida que descobrimos ter, após a dieta.

      Eliminar
  3. Minha linda activista :) muito importante este teu testemunho.
    Adoro-te :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada por estares comigo, também, aqui na "luta" ;)

      Eliminar
  4. Muito bonito, elucidativo e com sentimento este post!
    É, de facto, uma doença que em Portugal se sabe muito pouco. O próprio termo "celiaco" era-me desconhecido até, ha tres anos atras, ter conhecida uma rapariga (actualmente amiga do meu coração) que tinha a doença.
    Penso que noutros países, como o Brasil, se sabe muito mais pois a dieta acaba adoptada a por quem quer emagrecer!
    Mas, cá em Portugal, faltam testemunhos assim, falta informação, e blogs com este que se consegue distinguir dos milhares, senao milhoes, de blogs que por aí andam! sao todos giros, mas este é especial.
    A forma simples e positiva com que abraça é doença é de se louvar.
    muitos parabéns por este trabalho!
    Devia divulgar cada vez, pois há imensas pessoas que precisam desta ajuda e deste incentivo sendo que muitas nem o sabem ainda.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ana, obrigada pelas palavras que deixou, temos de abraçar esta doença de uma forma positiva, afinal foi o melhor que me aconteceu na vida! Descobrir, aceitar, abraça-la para toda a vida e agora poder divulgar desta forma.

      Eliminar
  5. Amei amei amei!
    Leitura muito simples!
    Keep on the good work!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada por estares com a Rapariga.
      Continuarei. ;)

      Eliminar
  6. Ola Lipita! os meus parabens pelo trabalho excelente que publicou sobre a doenca celiaca dando o seu proprio testemunho. Nao é fácil voltr a lembrar momentos díficeis por que passou até lhe ser diagnosticada a doenca por isso, louvo a coragem e determinacao pela maneira positiva como expõe e abraça a doença. Felicito-a pela informaçao acessivel e bem e estruturada na abordagem do tema DC dando a conhecer sintomas, caminhos a seguir, produtos existentes no mercado e a criatividade de os confecionar sugerindo dicas para os tornar mais apetecíveis . A apresentaçao e divulgaçao deste trabalho e preciosa e uma mais valia na continuidade do trabalho da ADC. Admiro o empenho a força e sobretudo o desejo de querer transmitir e ajudar todos os que sofrem com esta doença e que possivelmente a desconhecem. Oxalá esta sua entrega produza bons frutos. MAGNIFICO ! Obrigada, continue, um beijo da Clara.

    ResponderEliminar